acessibilidade

Início do conteúdo da página

Setembro
15
2022

Herbário da UFGD abriga mais de sete mil espécimes vegetais

  Atualizada: 16/09/2022

A coletânea conta com amostras do Cerrado, Mata Atlântica, Pantanal e Amazônia

 

Herbário DDMS 1
Servidores e estagiária apresentam parte do acervo da UFGD
 

Você sabia que a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) abriga um dos 192 herbários do país? A coleção é da Faculdade de Ciências Biológicas e Ambientais (FCBA) e conta, hoje, com cerca de 7 mil espécimes vegetais disponíveis para atender atividades de pesquisa científica na graduação e pós-graduação, tanto da universidade quanto de outras instituições. Além disso, apoia ações na área de educação não apenas no ensino superior, mas também no ensino fundamental, especialmente junto a escolas de Dourados, com projetos de educação ambiental.

Com uma das maiores biodiversidades do mundo, o Brasil possui mais de 40 mil espécies de plantas, o que corresponde a cerca de 11% da flora mundial. Isso torna os biomas do país extremamente relevantes para a conservação da biodiversidade do planeta, daí a importância do levantamento da flora que fica registrado nas coleções botânicas, os herbários.

Mas o que é, exatamente, um herbário? Herbário é uma coleção de espécies vegetais que contém, além das plantas, informações como seu nicho ecológico e morfologia. Depois que as amostras são prensadas e secas e recebem a devida identificação, são chamadas de exsicatas. Esse trabalho é extremamente importante para se conhecer a biodiversidade vegetal de um determinado ecossistema para que, a partir disso, diversas medidas sejam tomadas para proteção e conservação da flora.

 

Herbário DDMS 2
As amostras devem consistir de material fértil, com flores e/ou frutos ou outras estruturas reprodutivas
 

De acordo com o curador do Herbário DDMS (o da UFGD), Augusto Giaretta de Oliveira, essas coletâneas ajudam, ainda, a entender o impacto das mudanças climáticas. E, tendo em vista que armazena coletas independentemente do tempo em que foram realizadas, um herbário também é fonte histórica. “É possível estimar, por exemplo, qual era a composição florística de áreas hoje ocupadas apenas por zonas urbanas, pastagens ou plantações. Além disso, os dados trazem informações valiosas como o uso medicinal de algumas plantas. E é impossível não associar plantas medicinais com comunidades tradicionais, portanto, a história e a cultura dessas comunidades transparece por meio dos nomes populares, das lendas associadas a algumas plantas e também do uso, seja alimentar ou medicinal”, enfatiza o pesquisador.

EDUCAÇÃO E PESQUISA


De acordo com um levantamento feito com 139 coleções científicas de amostras de plantas, publicado em abril de 2020 na revista Acta Botanica Brasilica, as universidades federais abrigam 40,28% dos herbários brasileiros. A UFGD entra nessa conta com amostras do Cerrado, Mata Atlântica, Pantanal, Amazônia e até de outros países, como Guiana Francesa. Augusto explica, ainda, que a coletânea da universidade abriga 51 espécies ameaçadas de extinção, como Cedro (Cedrela fissilis), Guatambu (Aspidosperma parvifolium), Catuaba (Anemopaegma arvense), Jequitibá-rosa (Cariniana legalis) e Bicuíba (Virola bicuhyba).

Atualmente, existem 11 projetos em andamento na UFGD que são parcerias entre o herbário e graduações como Ciências Biológicas, Zootecnia, Agronomia, Biotecnologia e cursos de pós-graduação. Os pesquisadores não se beneficiam apenas em casos que a identificação de plantas é necessária para a continuação de pesquisas, as exsicatas da UFGD também são usadas como referência para trabalhos de ilustração botânica, fornecem material para extração de DNA vegetal, para análises químicas ou anatômicas, exposições, estudos de aplicação de biocompostos, de propriedades medicinais e como apoio a ações didático-pedagógicas. Essas últimas beneficiam diretamente a população externa à universidade.

O professor Augusto destaca que existe uma parceria com o Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (IMASUL) e o herbário para criar uma lista florística melhor fundamentada do Parque do Paragem, que é um parque em processo de implantação em Dourados. A intenção é, dentre outras coisas, criar chaves de identificação para espécies do Paragem que sejam acessíveis e também sirvam de material para educação ambiental. “Um dos projetos é fazer essa chave de multientrada para a trilha ecológica do parque, com muitas ilustrações e que possa ser acessada de qualquer dispositivo eletrônico, como celular ou tablet. Assim a pessoa poderá pegar uma flor ou fruto e conferir a que espécie a planta pertence”, explica o curador do herbário.

Existe outro projeto, ainda em fase de implementação, em parceria com a Escola Municipal Profª Avani Cargnelutti Fehlauerani, que pretende combater o processo chamado de “cegueira botânica” ou “invisibilidade botânica”, que consiste na falta de atenção para o componente vegetal, tão presente no cotidiano. O objetivo é despertar o interesse das crianças pela botânica, por meio da construção de uma horta sensorial, que será acompanhada de diversas atividades sobre a temática. “Uma atividade interessante que fazemos com crianças é o Diário Botânica. Pedimos que elas anotem todos os contatos que tiveram com plantas em um dia, seja a planta em si ou derivados dela. Temos plantas na madeira da cama, no pão, na cola de componentes eletrônicos, em óleos essenciais na pasta de dente, e assim vai. Geralmente se chega à conclusão que as plantas são muito mais presentes na vida do que imaginávamos”, detalhou o professor Augusto.

 

Herbário DDMS 3
Depois da coleta, amostras são prensadas e levadas a estufas para secagem
 

CONHECENDO O HERBÁRIO UFGD
 

O herbário da UFGD é parte do Museu da Biodiversidade (MuBio), cadastrado junto à Rede Brasileira de Herbários e indexado no Index Herbariorum, que é uma base de dados internacional. A coleção pode ser consultada pela internet, por meio do site do SpeciesLink utilizando o acrônimo "DDMS", que é uma plataforma que concentra informações de todos os herbários brasileiros e alguns do exterior. Por enquanto, é possível acessar os registros escritos e as coordenadas das ocorrências de cada exsicata, podendo criar mapas. Em breve o catálogo será digitalizado e será possível visualizar também as imagens de cada exemplar.
 

Herbário DDMS 4
Coletânea permite análise em detalhes das amostras

Ainda existem muitas plantas que aguardam serem incorporadas à coleção. Assim que isso acontecer, Augusto estima que a coleção passe para 9000 exsicatas, ao todo. A consulta presencial à coleção pode ser feita por toda a comunidade acadêmica ou demais pessoas ligadas ao ensino e pesquisa, desde que previamente identificadas, sendo necessário fazer agendamento pelo telefone (67) 3410-2199 ou pelo e-mail herbarioddms@gmail.com.

Mais detalhes
sobre o Herbário DDMS e o Museu da Biodiversidade da UFGD encontram-se no portal https://portal.ufgd.edu.br/faculdade/fcba/museu-biodiversidade, ou no perfil do Instagram @herbarioddms.

Jornalismo ACS/UFGD

 

Herbário DDMS 5
Essas são as informações que a etiqueta de uma exsicata deve conter, junto com a amostra

Herbário DDMS 6
Coleta de amostra de ipê, feita na Unidade 2 da UFGD

Herbário DDMS 7
Detalhe da coleta da amostra de flor de ipê

Herbário DDMS 8
Flor de ipê
 

Herbário DDMS 9
Armário onde são armazenadas as exsicata